Thursday, February 23, 2012

Os ensinamentos de Nandito o jovem que vivia do nada, por Kingamba Mwenho

Os ensinamentos de Nandito o jovem que vivia do nada, por Kingamba Mwenho

A vida faz-se trabalhando arduamente todos os dias sem parar. Hoje começo a reflectir sobre os vários elementos que caracterizam a vida de um homem aparentemente sem futuro. Um homem com problemas de todos os tipos, um homem que vive a jornada e que se dependesse de si a morte seria a solução dos seus problemas.

Tempos atrás conheci um rapaz que passava os seus dias esperando as oportunidades que está lhe podia reservar, a esperança era tanta que convencida tudo e todos que convencida o sucesso na sua vida cairia do céu. O rapaz e esperou, mas nada acontecia. Esperou e esperou ainda, mas quando viu que tudo parecia igual aos anos passados, começou a entender que na vida nada caiu do céu e que o sucesso era fruto de grandes esforços.

Nandito, o moço da banda, aprendeu a lição, um ensinamento que serve para todos os jovens de todas as classes sociais: nesta vida, o bem-estar digno de ser vivido é sempre fruto de grandes esforços e sacrifícios inesquecíveis.

Nandito aprendeu também que ninguém vivia do nada, que das pedras vem pedra como do imobilismo vem a pobreza. Maior é o imobilismo, pior é a situação de vida do sujeito em causa. Mãos obra!

Kingamba Mwenho
Por Angola, hoje e sempre!

Kizomba Romana, se as Sextas-feiras os angolanos revivem a banda e matam saudades

Kizomba Romana 2012

Roma (17/02/2012) - Até as boas amizades precisam de encontros formais, mesmo que saltuários, para se reforçarem, para se reconfirmarem como únicas e indistrutíveis. É nesta ótica que os angolanos em Roma se encontram todas as Sextas-feiras nos Momentos de Kizomba Romana. Estes momentos estão se tornando uma tradição de grande cultura e crescimento humano. Começaram como simples eventos para angolanos, hoje constituem um indiscutível ponto de referência para os mwangolés e admiradores da cultura e style angolano.

Sobre os Momentos de Kizomba, outro aspecto peculiar, são as lições grátis de Kizomba e ensinamentos sobre a cultura angolana. Todas as Sextas-feiras se vê um via-vai de italianos e italianas, um via-vai africanos de vários países lusófonos, de modo particular os caboverdianos, um via-vai de africanos interessados a aprenderem a dança do momento: A KIZOMBA ANGOLA. De momentos o Kuduro se dança, não se ensina, portanto, Kizomba com eles.

A comunidade angolana em Roma é constituida essencialmente por estudantes universitários, por isso as saudades da banda são mais fortes, e quando as dificuldades materiais se fazem sentir os mwangolés gostam de estar juntos, mesmo quando não podem contribuir na resolução material dos problemas.

O empenho na formação faz com que a alta cultura se faça sentir no seio dos angolanos na cidade eterna. São muitas as ocasiões, durante os momentos de Kizomba, aonde se deparam angolanos debatendo com categorias sobre vários temas político-culturais, científicos e religiosos. Outro aspecto curioso e não menos importante, é a vontade férrea de muitos angolanos em ensinar aos italianos o melhor da nossa cultura. O angolano quando quer faz.

Ao contrário do que se diz em continuação, os angolanos são unidos quando querem, quando se sentem mais angolanos, quando vivem mais a própria cultura, quando se elevam além do pseudo-sentido patriótico que faz de todos os problemas da banda o factor de divisão entre os mwangolés em várias partes do mundo. Ao contrário do que se diz, muitos angolanos que terminam os seus estudos querem mesmo voltar pra banda, querem contribuir no crescimento e desenvolvimento sustentável de Angola. Um apelo às autoridades competentes, mais atenão angolanos em Roma, muitas boas cabeças se encontram nesta banda, se encontram aqui, dando o melhor de sí para o desenvolvimento da Italia.

Em fim, conversando com os angolanos aqui, pude tirar algumas conclusões: ser angolano é ter fé que juntos podemos construir uma Angola melhor. Ser angolano é ajudar os angolanos a crescerem, é trabalhar pela angolanidade do pensamento e da acção. Ser angolano é sentir-se mal de viver bem quando os outros ainda morrem de fome. Ser um verdadeiro angolano é contribuir pela difusão da nossa cultura, da nossa essência, da nossa visão da vida aonde a celebração das relações interpessoais constituem um momento de grande vitalidade humana. Ser angolano continuar a ser o respeito pela gerarquia: os cotas são Kotas.

Para conhecer os angolanos na Itália, para conhecer os angolanos em Roma, participe nos Momentos de Kizomba Romana. Foi este o pedido e o desafio com o qual terminei (as 04:00 da manha)o encontro com alguns mwangolés e suas "piós" depois de uma Grande Noite de Kizomba - A "Kizomba Carnival Night 2012".

Kizomba Carnival NIGHT 2012.1

Kizomba Romana, se as Sextas-feiras os angolanos revivem a banda e matam saudades

388681_258178440898639_100001194556151_678744_927683037_n[1]311976_258208954228921_100001194556151_678780_734813195_n[1]

Para informações:
Facebook: www.facebook.com/kizomba.romana
Websites: www.kizomba-romana.angolaxyami.com

Kingamba Mwenho
Por Angola, hoje e sempre!

Angola & Itália, melhores relações de cooperação desde a independência, por Kingamba Mwenho

Angola & Itália, melhores relações de cooperação desde a independência

A cooperação entre a República de Angola e a República da Itália nunca esteve melhor como nos últimos anos do presente século. Entre os dois países multiplicaram-se os encontros bilaterais, eventos que permitiram o aprofundamento das relações entre os dois povos em vários domínios de interesse comum. Se de um lado a Itália necessita das matérias primas angolanas para poder transformar e exportar-las, do outro lado, Angola necessita do know how italiano em senso lato: das suas tecnologias médicas e agro-alimentares; dos conhecimentos relativos as construções em terrenos acidentados; dos conhecimentos relativos aos sector industrial mecânico e dos transportes avançados. São sectores que a Itália tem empresas líderes na Europa e no mundo, um know-how precioso que pode ser útil para o desenvolvimento econômico de nosso país.

Na vertente puramente econômica, registou-se um aumento das trocas comerciais, aonde pela primeira vez Angola diversificou a sua oferta: o país meteu na balança comercial não só matérias primas, mas também bens pré-trabalhados e serviços. Isto constitui um crescimento qualitativo de grandes impacto, visto que as exportações constituem o motor do crescimento econômico de qualquer sociedade. Quanto mais as exportações forem diversificadas, mais équo é o crescimento da sociedade/país exportadora.

vespa[1]A confirmar as informações acima citadas, sublinhamos o mais recente e significativo evento na história da cooperação entre os dois países. Em 2011, deslocou-se para Angola, uma imponente delegação empresarial italiana encabeçada pelo vice-ministro italiano para o desenvolvimento econômico, Adolfo Urso. A mesma era composta por cerca de 80 empresários em representação de 54 empresas italianas, com o objectivo de aprofundar o conhecimento do crescente mercado angolano, e potenciar as relações comerciais entre os dois países. Já em Angola, a delegação transalpina participou no Fórum econômico, que decorreu no hotel Trópico, no qual esteve presente o presidente da Agência de Investimento Privado (ANIP), Dr. Aguinaldo Jaime (1), o representante da Associação Industrial de Angola (AIA), Dr. José Severino, e a figura máxima da Câmara de Comércio e Indústria, Dr. João dos Santos.

Segundo dados do Ministério da Economia angolano, a Itália é o décimo quarto importador dos nossos produtos no mercado internacional, e considerando a crescente importância da nossa economia, este país amigo e quer reforçar a própria presença. Apesar de ter apenas uma quota de mercado 2,4%, dados que significam 302 milhões Euros por ano, o ritmo de crescimento das trocas comerciais entre os dois países tem vindo a crescer vertiginosamente pelo que nos últimos quatro anos, o valor das trocas comerciais aumentaram 45% a cada ano.

É de salientar que a Itália foi o primeiro país Ocidental a reconhecer a independência de Angola, e como amante das relações internacionais aproveito para sublinhar quanto importante foi o apoio do Belpaese.

jose eduardo dos santos durante um visita a europa
PR José Eduardo dos Santos durante um visita a Europa (Anos 70)

Nos anos sessenta e setenta muitos expoentes dos partidos italianos de esquerdas manifestaram-se em Milão e em Roma a favor da independência de Angola. A edição online, do jornal de esquerda "L'Unità", fundado pelo grande intelectual italianos, Antônio Gramsci, alberga uma galeria fotográfica com fotos históricas de Angola e de África. Grande relevo têm os eventos políticos daqueles anos visto que as ideologias antagonistas, nas maior parte das voltas, não contribuíam para a resolução de certos problemas.

Como nos anos sessenta e setenta, as relações entre Angola e a Itália, vivem hoje um rico momento no qual reina o respeito mútuo e se trabalha na busca de maiores e melhores oportunidades de cooperação econômica e cultural.

Kingamba Mwenho
Por Angola, hoje e sempre!

 

Cfr. TB - Webgrafia
1) http://www.anip.co.ao/Indicadores-Economicos.aspx
2) http://www.ambluanda.esteri.it/Ambasciata_Luanda
3) http://www.agenzianova.com/cooperazione/speciale/1/angola
4) http://archiviofoto.unita.it/ricercafa.php?key=angola
5) http://www.ambasciatangolana.com
6) http://www.minec.gov.ao/

Wednesday, February 22, 2012

Morreu Mateus Pelé do Zangado


Mateus Pelé do Zangado, 78 anos, exímio bailarino de danças de salão, morreu terça-feira em Luanda.
Nautral de Luanda, deliciou gerações de farristas das escaldantes noites luandenses dos anos 50, 60 e início da década de 70, tal como João Cometa e a finada Joana Pernambucano.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Popular Posts