Thursday, September 29, 2011

Florêncio da Conceição de Almeida, Ambassador to Italy presents credentials

 

Luanda/Angop – The Angolan extraordinary and Plenipotentiary ambassador to Italy, Florêncio da Conceição de Almeida, delivered his figured letters Thursday in Rome, to the Diplomatic Ceremonial chief of Italian Foreign Affairs Ministry, Stefano Ronca.

The ambassador Stefano Ronca said he is willing to help the “new” diplomat, and transmitted well-come greetings from the head of Italian diplomacy, Franco Frattini.

Stefano Ronca stressed also Italian interest in continuing “to supply” Italian companies working in Angola.

While congratulating his interlocutor by the reception, ambassador Florêncio de Almeida said that his mission will be based on “reinforcing political and economic cooperation between both nations”, as well as intensifying the contacts with the Italian private entrepreneur sector.

Florêncio da Conceição de Almeida, who was appointed last June, as ambassador to Italy is the ninth Angolan representative at that European nation.

Republic of Angola: Repatriation of Angolan refugees from Zambia suspended

Luena/Angop – The repatriation of Angolan refugees from the neighbouring Republic of Zambia is suspended since August this year for technical reasons, Angop learned Thursday in Luena, eastern Moxico province.

The information was released by Moxico provincial director of the Social Welfare Minisytry, Ana Filomena Chipoia.

The official said on the occasion her department is awaiting a notification from Zambia for the restart of the operation.

A total of 691 Angolan refugees returned home from Zambia in July this year.

Ana Filomena Chipoia said another more than 5,000 people wishing to return home from Zambia and the Democratic Republic of Congo (RDC) have registered.

According to the official, the number of Angolans awaiting to return home from the above mentioned neighbouring countries is well above 5,000 people.

The above mentioned 691 that returned to Angola went to the provinces of Huambo, Bié (centre), Kuando Kubango, Huíla (south), Kwanza Sul (centre), Luanda (north) and Moxico (east).

Ana Chipoia said all logistic arrangements have been made for the reception of the refugees through the transit centres in the districts of Luau (for those returning from the DRC), Bundas and Sacassange (Zambia), near Luena.

Other centres have been set up in Bié and Huambo provinces.

Angola/Democracia: As consequências de manifestações negativas

Está em marcha em Angola uma clara tentativa de desestabilização da ordem pública com proporções que podem ser alarmantes no curto médio prazo. Este tipo de prática não é nova e são bem conhecidas as suas causas e os seus efeitos imediatos e de longo prazo.

manifestacao em angola O exemplo da Líbia é o expoente máximo que levou a um derrube de um governo e do que advém diretamente de um derrube com essa índole. É, portanto, um exemplo bom para nós, Angolanos, que devemos olhar para os outros países e tentar, a todo o custo, evitar situações semelhantes no nosso.

Ao fim ao cabo, de uma forma clara e pragmática, o que se sucede a um possível derrube de um governo? Aqui poderiam ser enumeradas milhares de consequências, mas vou apenas exemplificar com as mais evidentes e que mais impacto teriam, directamente, no nosso país.

O caso da Líbia, após o caos se ter instalado e se ter praticamente derrubado o governo, independentemente de quem está por trás ou não desse golpe, para mim o que mais importa é o que será a seguir. O que sucederá a partir de agora ao povo líbio e o que será do futuro do país? Um país praticamente destruído pelas armas, que ainda não se calaram, onde não existe lei nem ordem, onde claramente irá haver uma situação de fome e miséria entre o seu povo. A comunidade internacional, por mais vontade que tenha em intervir e em ajudar no relançamento da Líbia como país, isso será sempre doloroso para o seu povo. Nós em Angola temos isso bem visível aos olhos do nosso povo, de Cabinda ao Cunene, que sofreu com a guerra, durante o conflito e sofre, ainda hoje, com as consequências directas e indirectas desse triste facto.

No nosso país, esta tentativa de fazer praticamente o mesmo que se fez na Líbia, com as consequências evidentes e que estão à vista de todos, seria catastrófica do ponto de vista social, económico e político para todos nós. Iria novamente levar o nosso povo a ter de parar no tempo, para pegar em armas, levaria as nossas crianças a ter novamente de deixar de estudar, seja nas grandes cidades como fora delas. Isso levaria, novamente, ao caos, à desordem, a fome e à miséria no seio da família angolana.

Momento histórico

Angola está neste momento, considerado histórico não só por nós, mas também por muitos países estrangeiros, num período de paz, prosperidade e de progresso para o nosso povo. Angola está a reerguer-se de uma guerra sangrenta, um conflito de irmãos que devastou o nosso país. Foram destruídas escolas, hospitais, estradas, pontes, a nossa economia durante anos ficou estagnada, o país deixou de produzir. O ensino ficou parado também durante anos, fazendo com que exista, infelizmente, um número enorme de iletrados e analfabetos em todo o país.

No entanto, nos dias de hoje, com a liderança forte que existe no nosso país, com um governo forte e coeso, com programas e com ideias bem estruturadas e conhecidas por todos, com provas dadas a todos os níveis, o país está, novamente e felizmente, a "reerguer-se das cinzas". O povo angolano voltou a sorrir, foram reconstruídas e construídas de raiz muitas escolas para os nossos filhos, hospitais para todos nós, pontes, estradas, auto-estradas, portos e aeroportos que são úteis todos os dias para o relançamento da nossa economia, para produzir emprego em larga escala para todos os angolanos, independentemente da sua origem, do seu nível académico, existe possibilidade de trabalho para todos. O cenário, no entanto, não é paradisíaco. Mas é o cenário possível no pós-guerra, é o cenário que foi conseguido à custa do sangue de muitos dos nossos compatriotas que deram a sua vida em nome de uma Angola justa, moderna e desenvolvida que, não restando dúvidas, a todos deixa feliz e que todo o povo quer que seja um país exemplo para África e para o mundo. Será que num cenário destes podemos deixar que suceda, novamente uma situação idêntica, de caos, conflito e desordem? Onde a lei deixa de ser respeitada, onde tudo o que foi até agora feito, seja, mais uma vez, destruído ou posto em causa? Para que se quereria um cenário destes novamente? Qual o objectivo, ao fim ao cabo, de levar o país a uma situação catastrófica com consequências inimagináveis e de proporções negativas gigantescas para todos os angolanos?

A ideia que ocorre só pode ser a maldade, a falta de visão estratégica e o terrorismo puro e evidente. É isso que se quer, por parte de alguns indivíduos apoiados não se sabe bem por quem, instaurar em Angola. Quer-se desacreditar as instituições, a Polícia Nacional e os governantes.


Intimidação do povo

Estas manifestações, embora consagradas na Constituição da República, e muito bem, à luz do direito de todos de poderem expressar as suas ideias e opiniões, não estão, no entanto, a cumprir o seu papel como deveria ser. Sendo manifestações que se dizem pacíficas e ordeiras, deveriam um caminho, ter uma ideia, pelo menos uma, que nos mostrasse a razão pelo menos delas existirem. O que se vê é o terror que tentam causar entre o povo. O terrorismo, igual àquele que infelizmente assistimos em outros países através da televisão, é o que se pretende trazer para Angola. Chegou-se a pensar que iriam trazer exemplos bons do estrangeiro. Mas não é isso que se verifica, infelizmente, na prática. Está em curso, no nosso país, uma mega reforma das instituições públicas, uma revolução autêntica e a que todos nos orgulham ao nível do desenvolvimento sustentável a todos os níveis. Ninguém, nem mesmo no estrangeiro, pode negar este facto. Aliás, muito do que se tem dito ultimamente lá fora, sobre o nosso país é exatamente isso, de que o país está a desenvolver-se e que o seu povo encontrou finalmente a paz que tanto queria para poder evoluir, estudar, trabalhar e ter condições condignas de vida, que é do seu direito. Está consagrado na Declaração dos Direitos Humanos.

O povo Angolano não quer guerra. O povo angolano quer paz, quer ver a sua jovem Nação a desenvolver-se, a cada dia, fazendo uso das suas riquezas naturais, que muitos dizem ter sido obra de Deus, para dar alegria, paz, estabilidade e prosperidade às famílias. É isto que se tem verificado no país. De Cabinda ao Cunene, a cada dia que passa, algo mais é construído. Mais uma escola é erguida, mais uma criança aprende a ler, a escrever e será, no amanhã, quem nos irá ajudar a atingir níveis cada vez mais elevados de desenvolvimento e prosperidade.

Não tentemos partidarizar esta questão. O que importa é não permitir, de forma alguma, que alguém, seja lá quem for, de que nacionalidade for, traga às nossas fronteiras o terrorismo, o caos e a desordem. Não o podemos permitir. Temos assistido a vários apelos por parte de vários cidadãos, partidarizados ou não, para que o povo se mantenha vigilante. Esta vigilância que se pretende é uma vigilância pacífica, ordeira, nunca enveredando pela via da delinquência, da desordem, da falta de respeito. Não é isso que o povo quer.

Voltando ao caso da Líbia, já se ouvem relatos um pouco por toda a parte de violações dos direitos humanos, violações a crianças, raptos, falta de água, alimentos, etc. Também não é isto que o povo Angolano quer.


Apelo à unidade nacional

O apelo que é o objectivo final desta abordagem vai no sentido de pedir, desde os governantes ao cidadão comum, crianças, as nossas mamãs, aos mais velhos, de Cabinda ao Cunene, que se unam em torno da paz, da segurança e do desenvolvimento do país. Não deixar, jamais, que voltemos à desordem, às violações, às mortes, à destruição dos nossos campos de cultivo que voltaram a ser novamente replantados em prol de todos. É um apelo à angolanidade, ao sentido de ser angolano, ao nosso orgulho, como um povo ordeiro, um povo pacífico, acolhedor e tolerante. O Angolano tem e deve ser, como se diz e muito bem em vários órgãos de informação, um exemplo para África e para o mundo. O nosso país também pode ser, como são muitos outros países pelo mundo fora, rico, desenvolvido, onde todas as crianças têm acesso ao ensino, onde todos usufruem de água potável, de energia elétrica, de uma habitação condigna, de paz, de segurança, livre de miséria, da fome, de doenças que infelizmente ainda persistem mas que vão sendo combatidas. O povo angolano merece isso. Todos o merecemos.

Nunca nos podemos esquecer dos planos que estão em curso em todo o país, planos de desenvolvimento concretos que visam a melhoria das condições de vida das populações. Projectos de abastecimento de água um pouco por toda a Angola, até nas zonas outrora consideradas inacessíveis aos meios humanos, mas que hoje, graças às novas tecnologias, podemos lá chegar e garantir às populações que lá residem, ter direito ao seu pão, a água potável, a energia elétrica, a estradas novas, a hospitais, a escolas para os seus filhos, enfim, à dignidade humana! Será que estamos dispostos, enquanto Angolanos, a pôr tudo isto em causa? Será que queremos regredir, novamente, 30 anos no tempo? Voltar à miséria, à fome, à delinquência gratuita, aos estupros das nossas crianças, das nossas irmãs, das nossas mamãs? Será que queremos voltar a separar as famílias que, após anos longos de conflito, voltaram novamente a estar unidas? Unidas em torno da paz, do desenvolvimento e da prosperidade? Será que é isso que o povo angolano quer?

O cenário de crise económica e financeira que vive o mundo todo, onde já se fala inclusivamente de escassez de alimentos, só nos dá ainda mais que pensar. Nós temos, graças a Deus, terras aráveis, cultiváveis, muita água, não só subterrânea, como uma costa riquíssima em recursos marinhos, para todos, chuva na maior parte do ano que ajuda no cultivo dos mais variados alimentos, desde a batata, ao arroz, à cenoura, à alface, tomate, cebola, frutas como a manga, a goiaba, a laranja, a tangerina, tudo produtos que podem ser aqui cultivados e exportados em benefício do nosso povo, que o merece.

O povo angolano é um povo trabalhador, que quer ver o seu país ser nomeado como um país próspero, um país democrático, onde existe respeito pelos direitos humanos, onde existe respeito pelas mulheres, pelas crianças, onde há direitos e garantias para todos. É evidente que é um país novo, uma pátria jovem, mas que está, graças ao esforço de todos os angolanos, a desenvolver-se.

É possível acabar com a miséria, é possível acabar com a fome aonde ela ainda persiste, é possível fornecer com qualidade serviços sociais básicos a todo o país. Para isso basta o Governo continuar a apostar em programas concretos, sólidos e projectos sustentáveis.

Estes estão à vista de todos. Do norte ao sul do nosso país, por onde quer que passemos, vemos casas a serem erguidas, pontes a serem erguidas, hospitais a serem construídos e alguns até reconstruídos, escolas primárias a serem reabilitadas ou construídas de raiz, escolas secundárias, pólos universitários para que todos possamos frequentar o ensino, aprender a ler, a escrever e a tornarmo-nos naquilo que sempre sonhámos. Desde doutores, a médicos, enfermeiros, professores, engenheiros das mais diversas áreas, carpinteiros, eletricistas, cozinheiros, mecânicos, mestres de obras, ajudantes de obras, enfim, tudo o que nós sonhamos para nós e para os nossos filhos. Família angolana, tudo isso é possível. Mas em paz, em concertação social, em diálogo pacífico. Não tentemos politizar estas questões porque, em última análise, o que está em causa é a soberania do país. São as suas fronteiras, o seu mar, as suas riquezas que ficam em jogo. É o povo que sofre, somos todos nós, de Cabinda ao Cunene. Não são talvez aqueles que tentam por meios menos pacíficos lançar o caos, apelar à violência gratuita, até apelos ao roubo. Mais uma vez, não é isso que o povo angolano quer.


Vontade de trabalhar

Nunca é demais dizer, o que o povo quer, seja lá qual for a sua região, se é um cidadão de Cabinda, se é de Benguela, se é de Luanda, se é do Moxico, não importa, o povo quer paz, o povo quer trabalhar, o povo quer melhorar as suas condições de vida, a todos os níveis, com o trabalho, com honestidade e num cenário de paz, de tranquilidade. Nós, angolanos, temos uma polícia nacional capaz, com quadros especializados no combate à criminalidade. Estes sim têm a soberania para poder lutar, com armas, contra aqueles que tentam fazer da sua vida a desgraça dos outros. Contra aqueles que querem lançar a desordem, a desgraça que se calhar, nem eles próprios têm noção da sua grandeza e para onde isso nos pode levar.

Nunca é demais lembrar que a desordem social nunca foi boa. O Angolano tem isso na sua memória. A desordem só nos trouxe guerra, pobreza, desgraças de várias ordens. Todos nós choramos a morte de um ou de vários amigos, irmãos, tios, primos, pai ou mãe, que morreram em prol da paz e em prol do nosso futuro. Nunca nos esqueçamos disso. Todos temos a obrigação de honrar quem por nós lutou e quem por nós deu a vida nos campos de batalha para que Angola tenha um amanhã, uma esperança de vir a ser aquilo em que se está a tornar, num grande país, próspero, democrático e desenvolvido, para todos nós.

É esse o dever patriótico que devemos ter. Um dever de defender a nossa Nação, a nossa Pátria, mas nunca através das armas, nunca através da violência, nunca usando os mesmos argumentos daqueles que querem que regressemos ao tempo das armas, da guerra, da fome e da miséria. Devemos lutar através das palavras, através das eleições, através do voto, através dos debates que se organizam um pouco por todo o país onde todo o cidadão tem o direito de opinar, de expressar as suas dificuldades, as suas angústias, enfim, tudo o que quiser, mas, nunca nos esqueçamos, de forma pacífica, ordeira, em paz e em harmonia. Isto é o que nos caracteriza como sendo Angolanos.

É isto que nos deve orgulhar. As nossas conquistas, os nossos valores democráticos, valores morais e cívicos. A nossa hospitalidade para com quem quer vir procurar a sua felicidade no nosso país, tal como nós, por escolha ou por obrigação, também o fazemos nos países estrangeiros. É isto que se chama ser Angolano, ter orgulho em nós mesmos, naquilo que conseguimos juntos, de mãos dadas, alcançar.

Não podemos, sob nenhum pretexto descabido, permitir que tudo isso que conseguimos com lágrimas nos olhos, de um dia para o outro, seja posto em causa seja lá por quem for.


Juntos, conseguimos.

Paulo Quaresma (*) Licenciado em Relações Internacionais

Via | JA

Wednesday, September 28, 2011

White power - United States, Britain, France and NATO - Hands off Libya! And out of Africa!

The African Socialist International (ASI) condemns the present and historical barbaric assault on Libya, Africa from imperialist powers who are driven by the profit motive inherent in capitalism, pure and simple.

We condemn the United Nations (UN) as a tool of imperialism being used to ensure and protect neocolonialism in Africa.

 


U.S. bombs destroy home of Colonel Gaddafi, resulting in the deaths of his son and grandchildren

 

It was the United Nations that provided the legal and political cover for the attack on Libya.

It is NATO, under U.S. leadership that is formally carrying out the mission.

NATO, the North Atlantic Treaty Organization, was formed during the era of colonial supremacy for the purpose of contending with the then-Soviet Union.

The fact that this North Atlantic treaty group has come together to attack Africa helps to expose the fact the the crisis of imperialism is generated in large part by the growing threat to colonial assets traditionally in the hands of white power.

The attack on Libya gives lie to the notion of sovereignty in Africa. Neocolonialism is the fundamental reality that defines the African state, even states attempting to exercise a modicum of independence like Libya.

Remember, neocolonialism is more than the attitude of the head of state or ministers of government.

It is an economic relationship that Kwame Nkrumah recognized as a necessary product of a divided Africa.

The attack on Libya reveals for all to see the vulnerability of any so-called independent African state to stand up alone to the military projections of the imperialist State, independent of the mobilized international African working class.

Libya is standing alone notwithstanding its financial contributions to various of the neocolonial heads of state whose favour Gaddafi courted in his efforts to unite the neocolonial club called the Africa Union (AU).

Not a single one of them has come to his aid although many of them are always available to carry out military missions in Africa to facilitate this or that imperialist foreign policy objective.

The ASI understands that the United Nations was created by white power imperialism and that it is incapable of serving the best interest of Africa and its people, no matter where on this earth we are located.

Our redemption and the peace we long for is only possible in a united and socialist Africa.

We reject UN Security Council seat/s for Nigeria or South Africa, or for the both of them.

These are neocolonial states which would only act in accordance with imperialist wishes and do the bidding of white power.

ASI Chairman, Omali Yeshitela, while addressing the Chinese and their collaboration with imperialism in his Political Report to the Fifth Congress of the African People’s Socialist Party, made this observation: “China also intends to transform its material conditions of existence, not through revolution to overthrow capitalism, but through joining imperialism at the trough.”

Indeed the black petty bourgeoisie leadership of Good Luck Jonathan in Nigeria, or Zuma and the African National Congress in South Africa, are begging to get to the blood-soaked imperialist trough, especially down in South Africa where ruthless anti-black war criminals are still being harboured, and who still have privilege.

The imperialists also hide behind the Arab league, a corrupted organisation of Arab neocolonial dictators who collaborate with the white settler colonial state of Israel.

This imperialist-led boot-licking organization has no legitimacy to decide when an African country should be attacked and its government replaced.

Libya’s stand against Israel must not go unnoticed. It is an important anti-imperialist, anti-zionist stance, as is the similar stand taken by Iran and Syria. The combined influence of Libya, Iran, Syria, Hamas, Hezbollah, etc. in the face of a weakened Egypt, Tunisia, Yemen and Algeria certainly is something that has loosened the metaphorical bowels of imperialism.

It is clear that the question of African unity is the most pressing question of our times.

It is a question that not only will determine the fate of Africa and African people worldwide, but it is a question that will determine whether a meaningful future is forthcoming, free of bosses and slaves, that when solved will chart the course for all of humanity.

If we want to stop all imperialists' bestial wars of aggressions, we must participate and accelerate the struggle for a socialist United States of Africa.

The African petty bourgeoisie and its African Union are of no use for Africa and African people.

Together with its counterpart, the Arab petty bourgeoisie and the Arab League cannot fight imperialism.

They are part and parcel of imperialism they have no interest in doing so. They are allies in an unequal partnership.

This aggression launched by US president Barack Hussein Obama under the pretext of saving civilians from Gadaffi’s army is packaged in a bundle of lies in the same way that US president George W Bush and British prime minister Tony Blair used to invade Iraq, then capture and lynch President Saddam Hussein.

They claimed Hussein was acquiring and developing weapons of mass destruction, which later were proved to be pure inventions of the US State Department and CIA.

Everyone already knows, however, that it is the US and its NATO allies that have all the weapons of mass destruction that constitute a threat to the world's existence.

One must pose the question: Why did the indebted and bankrupt British, French and US North American states attack Libya?

The answer: It is to prevent the shifting of power at the expense of Europe and North America.

The downfall of the AU, once championed by Colonel Muammar Gadaffi, will remain a powerless and treacherous organisation, because it is a Pan-Africanist vision that appeals to the heads of neocolonial states who are opposed to the emancipation and power of Africa and of the African workers.

The consolidation of the real shifting of the balance of power in favour of Africa and of the African world begins with the triumph of the African Internationalism of Omali Yeshitela, which is the development of the African Fundamentalism of Garvey, the Socialism of Nkrumah and the revolutionary work of Malcolm X, Patrice Lumumba and others; Yeshitelism recognises the necessity to organise into a single organisation of African workers and peasants from around the world to build the United States of Africa, which will end the power of white capitalists and their negro collaborators.

We cannot accept the French, British, US North Americans and others who continue to bamboozle us with lies about democracy and white people saving Africa.

Bourgeois elections anywhere are for the people with money. They are never the voice of the people, but the voice of people with money.

Most of us already know that Africans have no freedom in the west. A conference sponsored by the same UN in September 2001 in Durban, South Africa agreed that slavery and colonialism are crimes against Humanity. How can UN allow them to bomb Libya?

All charity money collected on behalf of Africans in Haiti is still in the hands of white NGO accounts for their own use.

In Libya, the rebels are already selling oil and setting up a central bank. A rebel movement setting up its own bank is a première in world history!

There are reports showing that Obama backed CIA covert actions against Libya before the bombing started.

British SAS were captured in Libya inn March and Western corporations made plans to sell Libyan oil just as they did for Iraq before the invasion occurred.

US president Obama has frozen $30 billion of Libyan funds earmarked for African Projects! And they are steadily bombing the people of Libya to save them.

And finally, our unity with Gadaffi’s government is not based on the inherent legitimacy of the government itself.

It is based on the fact that the imperialists are attempting to rescue themselves from a deep crisis where their political power is being threatened on every front with Libya.

In fact, the same thing is true with Syria.

We don’t validate the regimes.

We invalidate imperialism, although in the case of Libya, as we have said on more than one occasion, Gadaffi stands heads above most of the African cretins that pose as leaders and heads of state.

It is too late; Africans will never accept this invasion of our land. Reparations are still due us from the white world for hundreds of years of stolen black labour and African resources.

Death to Imperialism! Death to Neocolonialism!

Build the African Socialist international, the tool for a genuine unity of Africa and African people world wide.

Statement from African Socialist International, uhuruasi@aol.com, April 26, 2011, London, 07862294364, www.asiuhuru.org

African Socialist International

Libyan Islamists must have share in power, warns leader: “Islamists must not be marginalised”

Abdel Hakim Belhaj
Libyan Islamists must not be marginalised, says Abdel Hakim Belhaj,
leader of the Tripoli Military Council. Photograph: Francois Mori/AP

Libya's Islamist groups "will not allow" secular politicians to exclude or marginalise them in the intensifying battle for power in the post-Gaddafi era, the country's most powerful Islamist leader has said.

Abdel Hakim Belhaj, head of the Tripoli Military Council and founder of a jihadi group that was later disbanded, appears to be firing a shot across the bows of liberal, western-backed rivals after negotiations over broadening the rebel administration foundered.

"We must resist attempts by some Libyan politicians to exclude some of the participants in the revolution," Belhaj writes in the Guardian. "Their political myopia renders them unable to see the huge risks of such exclusion, or the serious ... reaction of the parties that are excluded."

More than a month since Tripoli fell to rebel brigades backed by Nato, the National Transitional Council (NTC) has failed to expand to be more representative, generating a sense of division and drift about the future that western diplomats and many Libyans admit is worrying.

It is now clear there will be no deal before the liberation of the whole country is formally declared. That requires the defeat of Gaddafi loyalists in the deposed leader's coastal hometown of Sirte, where heavy fighting continued on Tuesday. In Bani Walid, south of Tripoli, there is a stalemate. "Consultations have led to a decision to postpone the formation of a government until after liberation," NTC member Mustafa el-Huni said in Benghazi. The scale of the political challenge ahead is enormous in a country that has not held an election since 1952 and is just emerging from 41 years of dictatorship.

Belhaj – who was transferred to Libya with the help of the CIA and MI6 to serve seven years in Gaddafi's most infamous prison – was the head of the Libyan Islamic Fighting Group, which fought in Afghanistan until abandoning its jihadi ideas and disbanding in 2009. It then became the Libyan Islamic Movement for Change.

He is seen as the leader of the country's Islamist camp, his own and like-minded rebel brigades directly armed and financed by the Gulf state of Qatar, and his military council effectively controlling the capital. The Libyan national army, which includes many former Gaddafi officers, and answers to the NTC, looks like the junior partner.

Belhaj is close to Ali Sallabi, an influential cleric who lived in exile before returning after the start of the revolution in Benghazi. Sallabi angered many Libyans in a recent interview with Qatari-owned al-Jazeera TV in which he directly attacked Mahmoud Jibril, the NTC's prime minister-designate.

Jibril is a technocratic figure who did much to drum up western support for the Libyan rebels but he has emerged as the focus for bitter debates about the future.

Jibril is resented by some for his role in promoting economic development under the aegis of Saif al-Islam al-Gaddafi, the former leader's son, who was embraced by the west as a reformer until the uprising.

Mustafa Abdel Jalil, the NTC head, had already acknowledged that "differences in views" had delayed a deal, which is also complicated by regional rivalries.

Misrata, which suffered badly during the uprising, is insistent that its position be recognised. "We are faced with the Libyan mentality that every tribe, every region, every city has a share in the new government," Jibril said.

One analyst in Tripoli said: "Jibril and others appear to be offering an expanded NTC with some extra ministerial posts, but those outside want something much more fundamental - a fully representative council which would then elect a transitional government."

Nato said on Tuesday that about 200,000 Libyan civilians were still threatened by Gaddafi loyalists, mainly in Sirte and Bani Walid. "Remaining Gaddafi forces refuse to recognise their defeat," said a spokesman. RAF Tornados were said to have been in action on both fronts on Monday, hitting ammunition stores, a psychological warfare centre and a firing position.

Ian Black in Tripoli | guardian.co.uk,

Sirte civilians accuse NATO of genocide: "They have hit all kinds of buildings: schools, hospitals"

CIVILIANS pouring out of the besieged city of Sirte accused NATO of committing genocide yesterday as revolutionary forces reinforced their numbers and prepared for a new attack on Colonel Muammar Gaddafi's home town.

Long lines of civilian vehicles were seen leaving after a night punctuated by NATO air attacks. Forces fighting for the National Transitional Council (NTC) added their own artillery and mortar rounds at regular intervals.

Civilians, many looking scared or sullen, said that conditions inside Sirte were "disastrous". They made claims which, if verified, offer a conundrum for Nato, which operates with a UN mandate on the need to protect civilian life.

"It has been worse than awful," said Riab Safran, 28, as his car was searched by revolutionary fighters. His family had been sleeping on the beach, he said.

"They have hit all kinds of buildings: schools, hospitals," he said, referring to NATO airstrikes.

He said he could not distinguish between NATO and NTC attacks but believed it was a NATO bomb that destroyed part of his home on Saturday. NATO said it hit a number of military targets including a rocket launcher, artillery, and three ammunition stores.

Another resident said: "NATO bombing is killing civilians. Where is the United Nations? Where is the Muslim world to stop this genocide of the people of Sirte?"

The man, who gave his name as Mohammed Ali Alum Sekily, said six members of his family had been killed, but declined to give details. An eight-day-old baby brought out in one car was born on the beach, the family said.

Some of those interviewed by The Times said that Gaddafi loyalists were forcing residents to stay in the city. Others said that residents were frightened of revolutionary fighters who were rumoured to be abducting women from cars trying to leave Sirte.

NTC fighters denied the charges. I saw them offering food and water to those queueing to leave.

Residents said that power and water had run out and petrol was 400 Libyan dinars ($A330) a gallon. The water shortage has produced an epidemic of diseases, according to medical staff at a clinic in the town of Harawa, 35km east of Sirte. However, Gaddafi loyalists appeared to have plentiful stores of pasta, oil, flour and ammunition, residents said. Loyalists used an open radio channel to taunt NTC fighters, insisting that the city would never be taken.

The NTC forces checked the identity papers of those leaving against lists of known Gaddafi security personnel and senior former government figures, and they detained a number of men.

Following their unsuccessful assault on Saturday, one commander said that the NTC leadership thought that the attack was badly co-ordinated.

"We don't want to lose people, we don't want another Saturday, this was a mistake," said Omran Al Awaib from the Tiger Brigade.

The attacking forces lost eight dead and 153 wounded as they tried to move up the main road into the city. But the hard-won gains were abandoned the same evening as NTC troops retreated, leaving a barricade of sand-filled shipping containers. It has now been dismantled by Gaddafi forces.

There was almost no fighting yesterday except for long-range artillery and mortars. NTC forces were finally able to link up with reinforcements pushing towards the city from Benghazi, completing their encirclement of Sirte.

An NTC commander said that a new offensive would begin in the coming days.

THE TIMES

  • Tom Coghlan
  • From:The Times
  • September 27, 2011 1:27PM

  • Monday, September 26, 2011

    "Gaddafi's billions" Where is money of Libyans? | Sarkozy | Obama | Cameron

    Central Bank of Libya, the rebels captured the Transitional National Council, announced the sale of 29 tons of gold. The bank undertook these measures to "provide citizens with wages." The new head of the Central Bank Ghassem Azzoz also poined out that the bank's assets were fully preserved during the war, nothing has been stolen! Nothing! And nothing has been removed!


    It is striking that as it turned out, "the corrupt tyrant" (as the "revolutionaries" had to admit, and this is worth a lot) was not tempted even by a gram of gold owned by the people. Not a gram!

    However, knowing about the Colonel what we, friends of Libya, learned about him over the past six months, there's nothing strange about it. Another thing is surprising. So let's talk about it.

    About a week ago, the so-called self-styled "friends of Libya" met in Paris to decide that once the capital of Libya Tripoli had been seized - it is a separate story by whom! - the Libyan people's money can be "unfreeze" and passed to the "democrats." Who are the "democrats" and why for the sake of "democracy" they had to kill thousands of Libyans - is also a separate story!

    In brief, in Paris they began to count and...

    When calculations were done, it turned out that on the frozen Libyan accounts there were only 15 billion. Out of the 89 or 130 ...

    Stop, the West mentioned also 170 billion! And claimed that the "tyrant" ( "what a bastard!" screamed all the politicians and everybody in the West, just to defame the lion of the desert! ) stole the money from the Libyan people!

    Western politics and Margelov who joined them started feeling uncomfortable, they had a talk behind closed doors and solemnly announced that they found other ten billion. 25 altogether! Out of 170 billion, frozen in March!

    Western politics and Margelov who joined them started feeling uncomfortable, they had a talk behind closed doors and solemnly announced that they found other ten billion. 25 altogether! Out of 170 billion, frozen in March!

    Moreover, even this amount was delivered to the "new" authorities of Libya not in the currency (the accounts were in dollars, euro, pounds and, in theory, were supposed to be returned in cash ) but they came in boxes with newly printed Libyan dinars. From London - as much as 40 tons!


    Read more: I can not be silent! I can stop to cry! [libyasos]

    Provas da acção desestabilizadora anti-democrática, por Justino Justo*

    Excelentíssimo Senhor Director do Jornal de Angola,
    Aceite os meus mais cordiais cumprimentos e os melhores votos de sucesso para si e para o Jornal que tão bem dirige.

    Por vezes, coíbo-me de trazer a público questões que têm ou tiveram a ver com a nossa “longa marcha”, por considerar que mais importante do que a nossa trajectória, é a paz que conquistamos, o momento em que estamos e o futuro que pretendemos para os nossos filhos e netos.
    Infelizmente, a minha vontade de falar de coisas boas choca algumas vezes com factos e práticas políticas negativas que, pela sua gravidade, não podem deixar de merecer o meu reparo e até a minha mais veemente repulsa.

    Definitivamente, o meu compromisso é com a consolidação da paz e o desenvolvimento do nosso país e tudo quanto faço alicerça-se na vontade de contribuir para impedir que aqueles que se dizem democratas mas que patrocinam a desordem e o desrespeito às pessoas e às instituições do Estado, possam continuar a desfilar a raiva que nutrem pelo facto de não serem poder e de o quererem conquistar a qualquer preço, nem que para isso se tenha de apelar aos amigos externos para que testem aqui o que de mais moderno tenham em meios de destruição de vidas e de infra-estruturas.
    Essa falta de ética na política, essa constrangedora falta de senso patriótico e a convicção de que nada de bom têm para nos oferecer, a não ser essa inverosímil falta de sentido de Estado e de desrespeito aos reais sentimentos nutridos pelo nosso povo (porque é visível que não têm nada de bom para nos apresentar, não têm capacidade criativa e muito menos vocação governativa), fazem com que, no estrito respeito pela minha consciência nacionalista e pelo que contribuí para que tivéssemos a Angola que hoje temos, venha, uma vez mais, a terreiro para denunciar o que me foi dado a saber sobre algumas orquestrações que têm vindo a ser maquinadas pelo Bloco Democrático.

    Recordem-se que em Julho de 2010 denunciei o que estava inscrito nas Teses que estavam a ser preparadas para o II Congresso da Juventude do meu Partido, a JURA . Passado um ano não retiro absolutamente nada, porquanto está provada a sua veracidade e se dúvidas subsistirem comparem o comportamento e as atitudes de alguns dos dirigentes actuais e o que está escrito naquele texto, cuja cópia entreguei à Direcção desse Jornal.

    Não reconheço, em mim, capacidades outras que não a de ser capaz de interpretar o que leio e de fazer algumas deduções lógicas. Adivinhar não é, nem nunca foi, o meu forte. Se fosse, teria redireccionado a minha trajectória política há muito mais tempo.

    Mas devo, aqui e agora, relembrar duas passagens daquelas “teses” apenas para avivar a memória dos que pretendem tapar o sol com a peneira e facilitar a percepção do que direi a seguir:

    1 – A JURA projecta como oportunidades, a “criação de factos” e/ou “o aproveitamento de situações que ocorram no país”, tais como “eventos políticos, sociais, económicos, culturais, desportivos, académicos, religiosos e naturais” (devem querer referir-se a calamidades de qualquer tipo), para “desgastar por todos os meios a imagem do Presidente da República”, “transferir o foco de contradições UNITA/MPLA para o Povo/MPLA, alimentando e acirrando contradições sociais e económicas entre o MPLA/Governo e o povo”, “mediante a propagação” de “denúncias permanentes” do “carácter fraudulento das eleições de 5 e 6 de Setembro de 2008, o golpe jurídico-constitucional de 21 de Janeiro de 2010” e a “ilegitimidade democrática do Presidente da República”, incitando a população a “perder o medo de manifestar-se”. Lembram-se?!

    2 – “Mobilização e enquadramento político de membros e dirigentes de partidos políticos, igrejas e outras associações extintas pelo sistema” e a “cooperação com todas as forças, movimentos sociais e políticos ávidos da alternância do poder”. Sobre esta questão reitero que: “Pensar que participei no processo de libertação e na luta pela democracia e ver o Partido – UNITA – continuar a agir como um “gang de malfeitores”, é algo que me constrange sobremaneira”. Enfim… Lembram-se?!

    Pois bem, a questão é que, de facto, a UNITA tem vindo a arregimentar para o seu lado os ex-FPD (hoje Bloco Democrático) usando-os como capa e pedra de arremesso, potenciando a sua capacidade inata para a crítica fácil e despudorada e a sua reconhecida capacidade para explorar tudo quanto de menos bom possa acontecer na acção governativa, seja por culpa dos actores políticos que estão no exercício do poder ou por fenómenos imputáveis à natureza. (Seria engraçado ver o Dr. Justino culpar o Executivo pelo facto do satélite ter caído no nosso território. Graças a Deus e para azar daquele político, o engenho caiu em outras paragens. Que alívio para o Executivo).

    Mas o Bloco Democrático não foi de modas e, alinhando na estratégia global, inscrita nas teses da UNITA, criou, antecipadamente, um “Gabinete de Crise” chefiado pelo seu Presidente, Justino Pinto de Andrade, coadjuvado por Filomeno Vieira Lopes, cuja missão essencial é: estabelecer contactos com os demais Partidos Políticos da Oposição, entidades internacionais, amnistia internacional, órgãos de apoio aos refugiados, bem como promover a participação de diferentes grupos nas manifestações a realizar.

    Qual a intenção? Então … dizem que nada têm a ver com a organização das manifestações e têm necessidade de promover a participação de pessoas? Com que objectivo?

    Continuemos. A coordenação do Gabinete será apoiada por diferentes grupos. Desde logo por uma Comissão de Relações Institucionais (RINS), com a mesma chefia e as mesmas tarefas, ou seja, Justino Pinto de Andrade e Filomeno Vieira Lopes.
    A Comissão de Comunicação (INFOCOM), integrada por Manuel Victória Pereira, João Amaral, Cláudio Fortuna e Branquima Afonso Kituma, tem a incumbência de: fazer colecta de informação, emitir boletins diários, convocar conferências para propagandear a preparação ou apresentar os
    resultados das manifestações (criando factos ou denunciando a acção das forças policiais, culpando o regime por tudo quanto aconteça), produzir relatórios de presumíveis ocorrências, alimentar o facebook e o youtube, criar artigos para divulgação em jornais e criar histórias e factos, sempre que possível, com presos e suas famílias.

    Significa isso que eles vão instigar alguns jovens para se rebelarem contra as instituições e depois fazê-los surgir na imprensa como mártires? Será que já perderam a noção do valor da vida dos jovens que eles põem, deliberadamente, em risco? Será que as famílias estão avisadas do “uso” que estão a dar aos seus filhos?

    Então qual a diferença entre estes senhores do Bloco Democrático e os Numas, Libertys, Muzembas, Chilingutilas, Chiwales, Samakuvas e outros? Alguns destes ainda sabem o quanto nos custou fazer a guerra e perdê-la. E estes senhores do Bloco Democrático? Sabem mesmo o quanto sofremos para poder estar onde estamos e dar alguma tranquilidade às nossas famílias?

    Sabendo do que estão a preparar para os nossos filhos e netos, criaram uma Comissão de Apoio Jurídico (APOJUR), integrada por Luís do Nascimento, Nelson Pestana “Bonavena”, Lisdália Paula e David Mendes (Mãos Livres – antigo dirigente de um Partido Político).

    Mandam os nossos jovens para a rua (não vi nenhum deles na manifestação e, muito menos, a promoverem a arruaça que mandaram realizar) e depois, se tiverem problemas com as autoridades, surgem os salvadores da pátria.

    Não está na hora da própria Ordem dos Advogados posicionar-se em relação a esses seus integrantes que põem em causa a imagem e credibilidade da classe e vilipendiam os valores humanos e os deveres de profissão? Para que serve a Ordem? Ou será que devemos entender a Ordem dos Advogados apenas como mais um sindicato corporativo cujo fim se delimita na defesa de direitos e interesses dos representados? Não é esse o meu entendimento. Por isso mesmo, reclamo uma maior intervenção da Comissão de Ética daquela Instituição. Estou certo ou errado?

    Para concretizar o atrás dito, o Bloco Democrático criou também uma Comissão de Relação com os Familiares daqueles que tiverem problemas com as autoridades. É coordenada por Francisco Guedes, e segundo eles, contactar as famílias ajuda a moralizá-las e contactar os presos permite alimentar a informação pública, dando a imagem de que se tratam apenas de vítimas do regime.

    Até quando as nossas famílias se vão deixar manipular por gente que põe, sem qualquer tipo de sentimento que não seja o do simples aproveitamento da sua ingenuidade, a vida dos seus próprios entes em risco? Até quando?

    A máscara do Bloco Democrático caiu definitivamente com a criação da Comissão de Mobilização, integrada por João Baruba, Pedro Candungo e Adão Ramos, cuja missão principal é arranjar jovens disponíveis para aderir às arruaças e propor acções a realizar no âmbito da tentativa de descredibilização da figura do Presidente da República e do seu Executivo.

    Para dar mais brilho à sua acção desestabilizadora, o Bloco Democrático criou uma Comissão de Apoio às Cadeias (APOCA). Julgo que queriam dizer “aos Presos”, porquanto a sua função principal é encaminhar comida e livros aos detidos e organizar grupos de visita para pressionar os órgãos do Estado, na tentativa de demonstrar a existência de arbitrariedades, desrespeitando, por completo, todos os regulamentos e regras que existam naquelas instituições prisionais.

    Ou seja, o próprio Bloco Democrático, sabendo da intenção com que promove as arruaças, criou todo um quadro organizativo para minimizar os efeitos nefastos da sua acção em relação àqueles que usam para os seus fins macabros.

    Com que moral estes senhores se arrogam ao direito de surgir como defensores de direitos humanos quando eles usam jovens inocentes e desprovidos de senso político, para seus fins desestabilizadores?

    Com que moral o senhor Justino Pinto de Andrade e os seus seguidores pretendem dar lições de democracia e de respeito pelos nossos concidadãos quando eles próprios, sem um mínimo de sentido humanitário, orientam jovens para destruírem bens públicos e de outros cidadãos que nada têm a ver com a sua raiva desmedida e o seu incontido desejo de um dia integrar o poder, qualquer que seja o preço a pagar? Com que moral?
    O quê que diferencia o comportamento do senhor Justino, do Numa ou do Makuta

    Nkondo? (que nunca vi nos mais de trinta anos que estou na UNITA, nem sei como surgiu como Deputado e a fazer ameaças que nos fazem lembrar os piores momentos da nossa trajectória. Aliás, espero bem que se continue a pressionar para organizarmos o próximo Congresso e resolvermos, definitivamente, algumas questões. Gente que não nos conhece, não sabe o que fizemos pelo país e suja o nosso passado, deve ser tirado a favor de outros que conhecendo bem o nosso ideário, possam fazer sobreviver o que de bom ainda temos).
    Mas, então qual é a diferença? Na minha opinião, nenhuma.

    O senhor Justino Pinto de Andrade, pessoa pela qual, mesmo sem conhecer, sempre nutri algum respeito, deixou de ser, pelo menos para mim, o analista político com alguma qualidade, embora nem sempre partilhasse dos seus pontos de vista, pela forma parcial e obstinadamente negativa como conduzia muitos dos seus raciocínios, para passar a ser mais um makutazito, sem qualidade e sem capacidade de se impor pela positiva.

    É triste ver como um patriota fervoroso na luta contra o colonialismo, se transformou num politiqueiro medíocre, despojado dos valores mínimos capazes de congregar vontades em torno de um projecto maior, onde o exercício democrático assenta na escolha popular e o poder político se conquista nas urnas. Que triste…

    Permitam-me o desabafo: “Senhor Justino Pinto de Andrade, para se ser democrata não basta parecer”. Ajude-se a si próprio. Repense nas prioridades para a melhoria da vida do nosso Povo e logo perceberá que a arruaça, a desordem e a confusão só servirão aqueles que, com isso, podem continuar a encher os bolsos com cifrões do nosso sangue.

    Com o reforço da nossa acção política, enquanto oposição, e a nossa união em torno do processo democrático, estaremos a contribuir mais e melhor em prol de Angola e do nosso povo.

    Sabemos que não ganharemos as próximas eleições, mas também sabemos que, unidos, podemos reduzir significativamente, o fosso que nos separa daqueles que hoje exercem, por direito, o poder político no nosso País.
    Sabemos das diferenças que nos separam, mas temos de ser capazes de perceber que os ventos árabes jamais soprarão em Angola e que, não obstante isso, a viragem é possível.

    A democracia é uma dádiva conquistada e é o único rumo capaz de nos permitir contribuir para termos amanhã, a Angola dos nossos sonhos de sempre.
    Espero, sinceramente, que o Pedro Seke, a Jeaneth Kalema e o Cláudio Fortuna, não precisem mais de perder tempo com listas de indivíduos presos por desrespeito ao próximo. Que os seus piquetes sejam usados para introduzir na internet informações sobre coisas boas que o Bloco Democrático tenha feito, ou queira fazer, a favor de Angola e do nosso Povo, incluindo sobre manifestações pacíficas para reivindicação de direitos constitucionalmente protegidos.

    Fica a minha promessa de voltar, dentro de dias, para trazer outros factos que permitam um melhor conhecimento sobre a insurreição com que se pretende brindar ao nosso Povo.

    Continuo a apelar às Instituições do Estado para que levem a sério as denúncias que vou fazendo. Conheço e respeito o serviço de inteligência, mas é bom perceber que a nossa experiência de vida pode constituir-se num filão de segurança e de prosperidade. Os que me conhecem do passado, sabem bem do que falo.

    A bem de Angola.

    24 de Setembro, 2011

    Justino Justo - Militante da UNITA

    Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

    Popular Posts